Betinha Thomaselli

O Blog da Elizabeth Lebarbechon

Mudanças

 

A vida se transforma e eu como vivo em eterna ebulição vou aceitando e aprendendo a mudar meus hábitos , sempre estou a procura de hobbies ,tenho um espírito que não se conforma em seguir uma rotina e assim vou driblando e canalizando minhas energias para algo novo que provoque em mim uma vontade de querer aprender,

e vou falando que não é fácil !

Tenho a Academia como religião, sou fiel e todos os dias eu acordo e malho 2 a 3 horas por dia, e ainda caminho na beira-mar final de tarde ,gosto de andar escutando música, faz bem para meu espírito .

Ainda as vezes caminhando eu reflito, penso nas coisa que tenho que fazer, e nas que me incomodam também . Por sinal hoje caminhando lembrei  do passado, dos carnavais ,como gostava ! Vou confessar que quando chega quarta-feira de cinzas vem aquela lembrança que me acompanha, é uma cena que não consigo esquecer da minha adolescência: Tinha 14 anos , época dos Anos Dourados, tudo era lindo, minha turma onde 2 casais eram lideres,e eu era um deles . Assim sempre aos sábados ao som da Jovem Guarda e Beatles na casa de um dos membros acontecia as tais festinhas ,  tinha loja de discos então era eu quem levava os últimos lançamentos, e tudo corria bem , dançávamos  uma música  de cada vez, e então como havia muitas meninas para tão poucos rapazes , tínhamos que dar a chance a todas, na  verdade o mais importante era quem saia para dançar primeiro. Então como  membros da turma tínhamos que obedecer as regras , uma delas era aos sábados assistir os jogos de futebol no Catarinense e torcer para os meninos. Até dai tudo bem íamos com intuito de paquerar e era meio enfadonho assistir aos jogos mas depois compensava na paquera . Tudo no maior respeito, sem cenas de beijos ou algo mais, apenas olhares e conversas . Até ai tudo bem, como era época de Carnaval e eu gostava de usar fantasia,  o ano todo não saia da minha cabeça em comprar o lamê prata e fazer minha fantasia de Colombina. Qual não foi a minha surpresa a turma  já estava cogitando em fazer uma fantasia mais simples que era bermuda branca e camisa de vichy vermelha com branco, falei do meu desejo em estar de Colombina, houve quem me apoiasse e até algumas seguiram e assim fomos ao carnaval. A turma X todos uniformizados de bermuda e blusa e as 5 Colombinas, depois de muitas reuniões para idealização da tal fantasia. A turma então insatisfeita com a nossa decisão de estarmos fora dos padrões da fantasia que havia sido escolhida pela maioria  fomos expulsas da turma, no Clube Doze ao som da marchinha de Carnaval, saímos dançando  assim curtimos aquele domingo de Carnaval, meio que não estávamos nem ai, o que não era verdade,no baile infantil, não tínhamos idade para baile  de adulto! Até ai tudo bem, não seguimos as regras, mas o pior estava para acontecer:minha amiga Syd que era minha vizinha e uma das minhas melhores amigas em Coqueiros, quarta –feira foi para Curitiba, onde estudava,  estava sem a turma X, mas ainda tinha ainda as 3 amigas Colombinas que eu podia contar. Passado quarta –feira de cinzas,  telefonei para uma delas para combinarmos  ir ao cinema da sessão das 13 horas no Cine São José . Tudo combinado, avisei que ia chegar primeiro e guardaria o lugar para as três .  Qual não foi minha surpresa, descendo a rampa do cinema estavam lá minhas amigas Colombinas, chamei ingenuamente até feliz por estar no lugar privilegiado, que era bem no meio de repente senti um certo ar de arrogância da tal pseuda amiga . Só escutei com aquela voz de superioridade que tinham voltado para turma e que não iriam sentar comigo. Fiquei parada estupefata e desmoralizada! Toda turma atrás delas as gargalhadas . Esperei apagar a luz e sai do cinema chorando . Até hoje ainda lembro da cena !

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *